A FileKeys
Home >

DICAS

  •  I. 23 lugares que precisas conhecer antes que morram

    Excelente matéria da Revista Viagem e Turismo. Espero que gostem.

    Destinos e patrimônios que, pelo aquecimento global e outras ameaças, podem desaparecer. Aproveitem para conhecer.

    Lista da edição de agosto de 2010 da revista Viagem e Turismo.

    Foi feita de acordo com o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU, do Word Monuments Fund e do relatório de patrimônios em risco da Unesco.

    1. Ilhas Maldivas

    Destino de sonho, o arquipélago com mais de mil ilhas tem praias de areia branquinha e mar azul. Um Caribe no Oceano Índico. Problema: 80% das Maldivas estão apenas 1 metro acima do nível do mar. O país está afundando e pode desaparecer em 100 anos. O presidente Mohamed Nasheed criou uma espécie de poupança nacional para financiar o êxodo da própria população.
    Foto: Marco de Bari

    2. Recife

    A capital pernambucana é um dos principais destinos turísticos do país – recebe cerca de 3 milhões de visitantes por ano. Mas a cidade conquistou o 18º lugar em um ranking preocupante: a lista dos 100 lugares que podem desaparecer da ONG Co+Life. Recife e seu entorno sofrem com o próprio tamanho – é a sexta região metropolitana mais populosa do Brasil, com quase 4 milhões de habitantes – e com sua condição geográfica: junto ao Atlântico e na foz dos rios Capibaribe e Beberibe.
     

    3. Templo Phajoding

    Encravado em uma montanha do Butão a 3 650 metros de altura, o templo sempre foi refúgio de monges. Com o crescimento no número de turistas (cerca de 20% ao ano) no país, as estruturas do templo estão ficando comprometidas – e a paz dos monges também.
    Foto: wmf.org/divulgação Revista Viagem e Turismo

    4. Floresta Amazônica

    O desmatamento é um dos inimigos dessa que é a maior floresta tropical do mundo. Nos últimos 30 anos cerca de 966 mil quilômetros quadrados de área verde sumiram. Embora controversa, a previsão de que trechos da Amazônia poderão se tornar savanas é chocante.
    Foto: Carlos Nader/Divulgação Revista Viagem e Turismo

    5. Monte al-Makmal

    Próximo ao Monte al-Makmal, no norte do Líbano, encontra-se a última reserva de floresta de cedro, a árvore-símbolo do país. Entre os 375 exemplares, pelo menos 12 têm mais de mil anos.
    Além do tempo, os cedros passaram a ter mais um inimigo: a aridez da região. Acima, foto do Vale Qadishi, local onde fica o monte.
    Foto: Cléderson Perez/Flickr

    6. Tuvalu

    Com nove ilhas, a nação de Tuvalu fica isolada em pleno Pacífico. O pequeno arquipélago sofre com o mesmo problema das Ilhas Maldivas: a maior parte do território do país fica apenas 1 metro acima do nível do mar. Com isso, as águas estão engolindo Tuvalu pouco a pouco.
    Foto: Leigh Blackall/Flickr

    7. Naukluft Park

    No Deserto da Namíbia ficam as maiores dunas migratórias do mundo – os paredões de areia chegam a 300 metros de altura. Mas as alterações climáticas devem aumentar as correntes de ar vindas do mar, o que pode acelerar o deslocamento das dunas, ameaçando a vegetação e a fauna da região.
    Foto: Mariana Vinanna

    8. Plataforma de Gelo Ross

    Na Península Antártica, a Ross é a maior plataforma de gelo do mundo – tem quase o mesmo tamanho da França. O medo dos cientistas é de que o paredão branco derreta num futuro não tão distante, o que aumentaria o nível dos oceanos em 5 metros.
    Foto: divulgação da Revista Viagem e Turismo

    9. Kilimanjaro

    Trata-se de um dos ícones da degradação ambiental. Além de ser o pico mais alto da África (com quase 6 mil metros), o Kilimanjaro, que fica na Tanzânia, tornou-se famoso por sua neve eterna.
    Bem, é melhor mudar a expressão. Acredita-se que em dez anos o topo da montanha já não tenha mais gelo algum.
    Foto: Tanzania Tourism Board/divulgação

    10. Virunga National Park

    A floresta do Congo, onde vivem cerca de 200 gorilas-das-montanhas, espécie em risco de extinção, virou esconderijo dos refugiados da guerra de Ruanda em 1994. Desmatamento e caça ilegal são apenas alguns dos problemas do parque.
    Foto: Virunga National Park/divulgação

    11. Tóquio

    Uma das capitais do mundo, Tóquio sofre com as ilhas de calor. A situação só tende a piorar com o aquecimento global: nos últimos 100 anos, os termômetros na capital japonesa aumentaram cinco vezes mais rápido que a média mundial.
    Foto: Divulgação Revista Viagem e Turismo

    12. Galápagos

    Foi nessa ilha do Equador que, há 150 anos, o cientista Charles Darwin criou a Teoria da Evolução. Porém, o turismo em massa e o crescimento da população local põem em risco cerca de 5 mil espécies animais.
    Foto: Caio Vilela

    13. Veneza

    A cidade italiana transborda beleza e, muitas vezes, algo mais fétido. De qualquer forma, Veneza está afundando – em 100 anos 20 centímetros foram para debaixo d’água. O aumento no nível do mar tem agravado a situação e acelerado o desgaste dos edifícios, mas as estruturas que sustentam a cidade também estão danificadas. As inundações, por consequência, tornaram-se mais frequentes. Um ambicioso projeto de comportas para conter a água do mar está previsto para 2014.
    Foto: Divulgação Revista Viagem e Turismo

    14. Santuário Manas

    Aos pés do Himalaia, na Índia, o santuário é a casa de diversas espécies animais – muitas delas em extinção, como o elefante indiano. Mas, desde 1992, quando militantes da tribo Bodo invadiram a área, o Manas entrou na lista dos patrimônios em risco da Unesco.
    Foto: Divulgação / manasassam.org

    15. Sagrada Família

    A igreja jamais concluída projetada por Antoni Gaudí, em Barcelona, está em risco desde que foi aprovado o projeto para a construção de um túnel por onde irá passar um trem de alta velocidade – bem embaixo de sua fachada principal. Se levado adiante, há chance de comprometer a já frágil estrutura do templo, iniciado em 1882.

    16. Machu Picchu

    No topo de um vale, Machu Picchu fica em um lugar delicado. Este sítio arqueológico, Patrimônio Histórico da Humanidade desde 1983, tem sofrido vários problemas, como deterioração das ruínas e deslizamentos de terra. Com o grande fluxo de turistas, torna-se real a possibilidade de que a cidade desmorone montanha abaixo. Desde 2004, há um limite de 2 500 visitantes por dia.
    Foto: Divulgação Revista Viagem e Turismo

    17. Cidade Antiga de Jerusalém

    Em Israel, os conflitos entre palestinos e israelenses ameaçam o local sagrado para judeus, muçulmanos e cristãos, as três maiores religiões monoteístas do mundo. A cidade possui um rico patrimônio histórico, como o Domo da Rocha, do século 7, que sofre com a falta de conservação.
    Foto: Valdemir Cunha

    18. Big Sur

    Na costa da Califórnia, o trecho à beira-mar da Big Sur, entre San Francisco e Los Angeles, é considerado uma das estradas mais bonitas do país. No entanto, a região tem sido alvo de fortes ondas de calor e de seca. Essa mudança tem elevado o número de queimadas, o que acaba destruindo o ecossistema local.
    Foto: Jill Matsuyama/Flickr

    19. Grande Barreira de Corais

    De tão grande a Barreira de Corais é visível até do espaço – são quase 2 mil quilômetros de recifes, ilhas e atóis, que formam um colorido santuário da vida marinha no mar da Austrália. Trata-se do maior organismo vivo do planeta.
    Frágeis, os corais são muito sensíveis à elevação na temperatura dos oceanos e à poluição das águas. O estrago é perceptível a olho nu: o paraíso colorido sofre um processo de branqueamento.
    Foto: Divulgação Revista Viagem e Turismo

    20. Caminho de Santiago de Compostela

    A rota de peregrinação mais famosa da Europa, trilhada desde o século 12 na Espanha, tem ganhado concorrentes de peso: as rodovias pavimentadas. Em diversos pontos de seus 800 quilômetros, o caminho histórico tem sofrido alterações e desvios por causa das construções.
     

    21. Alpes Kitzbühel

    Os glaciares dos Alpes têm diminuído em ritmo acelerado: só dos anos 1980 para cá eles perderam cerca de 20% de seu tamanho. No lado da Áustria, uma das saídas foi colocar um tipo de manto térmico sobre o gelo para evitar o derretimento durante o verão. A experiência tem dado certo.
    Foto: Austrian National Tourist Office/Homberger

    22. Delta do Okavango

    Antes de desaparecer no Deserto do Kalahari, em Botsuana, o Rio Okavango dispersa-se em uma infinidade de riachos, formando assim o maior delta de interior do mundo. Mas se supõe que as estiagens serão cada vez mais frequentes com o aquecimento global.
    Foto: Mariana Vianna

    23. Península Valdés

    No inverno, as baleias-franca-austrais se refugiam nas águas mais quentes da península argentina. O problema é que o krill, principal alimento delas, está desaparecendo devido ao aumento da temperatura do mar. Especialistas já constataram uma queda no número de nascimentos de baleias.
    Foto: Divulgação Revista Viagem e Turismo

  •  II. O que NÃO fazer na Itália

    Há várias atitudes e comportamentos que não vão lhe ajudar em sua próxima viagem à Itália. Estas atitudes podem lhe colocar em apuros, lhe deixar constrangido, ou apenas dificultar que você consiga o que quer. 

    As pessoas em geral, quando pesquisam sobre uma viagem que pretendem fazer, normalmente buscam o que fazer no destino pretendido. Mas tão importante quanto saber o que fazer na Itália, é saber o que não devemos fazer.

    Para que você não caia em uma destas armadilhas, agrupamos 12 dicas de coisas que você não deveria fazer na Itália em hipótese alguma, vamos à elas:

    Pedir maionese ou ketchup para colocar na pizza

    Os italianos são apaixonados por pizza, e ao prepararem esperam que você a delicie do jeito que foi preparada. Azeite de oliva está liberado para temperar sua pizza, qualquer outra coisa pode ser uma ofensa para os italianos, o que evidentemente você não vai querer fazer.

    Pedir para alterar algum ingrediente do seu prato

    Outra grande ofensa para um italiano. Cada prato é delicadamente preparado, e deve ser servido e degustado do jeito que manda a receita. Totalmente diferente dos restaurantes americanos, onde você pode misturar e customizar o prato todo, na Itália ao pedir um prato, confie no cozinheiro e não tente pedir alterações.

    Deixar de aceitar a sugestão do garçom ou dono do restaurante quanto a que prato comer

    Na Itália, independente do nível do restaurante em que você estiver (desde que não sejam aquelas armadilhas para turistas), a gastronomia é levada à sério. O que isso quer dizer é que os pratos são preparados esperando que você se deleite com eles. Que eles sejam incríveis, super saborosos.

    Assim sendo, a indicação da casa deve ser sempre ouvida. Eles vão acabar lhe indicando o que há de mais especial no dia. Normalmente isso tem relação com o que o chefe encontrou de mais fresco na feira ou no porto, quando se tratar de frutos do mar.

    A única exceção à esta regra, como mencionei acima, seria os restaurantes 100% focados nos turistas. Em primeiro lugar, não vá a estes restaurantes. Se você não resistir, saiba que nestes locais, a indicação do garçom ou do chef, ou o especial do dia, não necessariamente vai ser o que há de mais saboroso e especial ou fresco, mas sim, o que há de mais barato e lucrativo, de forma que eles possam maximizar o lucro.

    Entrar em igrejas com blusas de alça ou regatas

    E, para homens, as bermudas também costumam não funcionar.Se você estiver visitando a Itália em algum período quente, leve sempre consigo um lenço grande ou pashmina para colocar sobre os ombros ao entrar em uma igreja italiana. Em muitas delas é realmente proibido entrar com ombros de fora.

    Achar que todos os italianos falam inglês

    Erro bem comum de todos que vão a países europeus. Enquanto é verdade que muitos italianos (e europeus) falem bem inglês, também é verdade que, no interior, o número de pessoas com o domínio da língua universal é bem menor.

    E mesmo nos grandes centros, não é todo mundo que fala inglês. Há aí uma divisão clara de faixa etária. Os mais velhos falam inglês com menor frequência do que os mais jovens.

    Nunca assuma que um italiano fale inglês fluentemente, nem mesmo se ele for jovem.

    Deixar de andar de gôndola

    Erro grave das pessoas que odeiam clichês de viagem. Andar de gôndola é obviamente um clichê de viagem, mas é um ótimo clichê de viagem. Na gôndola você tem uma outra perspectiva da cidade. Vê coisas que andando a pé ou de vaporetto você não iria perceber. Em geral, os passeios são caros, mas você pode pechinchar um desconto com o gondoleiro, ou, se forem poucas pessoas, você pode dividir a gôndola com mais gente.

    Tirar fotos na Capela Sistina ou em outros lugares proibidos

    Milhares de pessoas são humilhadas publicamente na Itália ao tentarem tirar fotos em locais proibidos.
    Eu já presenciei isto inúmeras vezes. Não, você provavelmente não será preso ou pagará uma multa ao ser pego burlando a regra de não tirar fotos.
    Mas acredite, ser humilhado publicamente pode ser até pior. E outra coisa, você é um adulto, respeite as regras!

    Apalpar as frutas em uma verdureira

    Brasileiros adoram “ver com as mãos”, é um fato. Outro fato é que cada povo tem sua cultura e costumes.
    Em uma verdureira na Itália, você deve indicar ao atendente quais as frutas ou verduras que deseja, e ele vai colocá-las na sacola para você.
    Ao viajar para outro país, tente ao menos se adaptar à forma de fazer as coisas naquele país. Se você não consegue se adaptar, talvez deva passar as suas merecidas férias no sofá de casa vendo novelas, Faustão e afins.

    Andar no sistema de transporte público sem comprar o ticket

    Novamente a questão da punição vem à tona. Sim, eu sei, quando não há fiscalização, sempre haverá alguém se aproveitando. Mas que não seja você. O sistema de transporte na Itália, em grande parte dos lugares, funciona na base da confiança.
    Você compra o ticket e o coloca no bolso, para o caso de um fiscal lhe questionar se você tem o ticket. Quem já viajou de trem, metrô, ônibus e afins na Itália (e também em outros lugares da Europa), já deve ter notado que as fiscalizações são raras. Isto costuma atiçar o pessoal do jeitinho, que vê aí uma forma de economizar uns euros. Não faça isso!

    Olhar os itens que os imigrantes ilegais estão vendendo nas praças das principais cidades.

    Grande erro! Eles te pescam no olhar. Olho no olho com eles causa uma ligação difícil de ser desatada. Olho nas bolsas e afins que eles estão vendendo causam um fenômeno similar. Eles irão te perseguir pela rua afora, gritando alto o valor do item e baixando cada vez mais o valor, te deixando em uma situação bem constrangedora.
    Há inclusive turistas que compram a peça para se livrarem dos vendedores. E não se iluda, eles são africanos mas falam inúmeras línguas européias, inclusive a sua (que também é uma língua européia, não se esqueça disso)!

    Falar sobre a guerra

    Gafe grave, todo brasileiro tem alguma opinião sobre as guerras da Europa, alguns acham que tem mais direito à estas opinião por serem descendentes de europeus. Cuidado! Tema altamente delicado que você não vai querer entrar. Este tipo de assunto, assim como religião, esportes, e sexualidade, devem ser evitados ao máximo!

    Imitar o sotaque italiano falando português

    Fica ridículo e não ajuda a fazê-los lhe entender. Há muitos brasileiros, evidentemente influenciados pelas inúmeras novelas “italianas” da Globo, que acham que falar italiano se resume a decorar 4 palavras e, em todas as outras, simplesmente entoar um pseudo-sotaque italiano. Estas pessoas acreditam também na tabela de conversão Português – Italiano que seria assim, pegue todas as palavras portuguesas que terminam em ÃO, e as transforme em palavras “italianas” terminadas em ONE. Alguns exemplos clássicos: não existe camiONE, nem aviONE e também corazONE.

    Considerações Finais

    Ao viajarmos, deveríamos estar preparados para encontrar culturas e hábitos diferentes dos nossos. Ao estarmos preparados para estas diferenças, garantimos uma viagem muito mais espetacular, com um nível bem maior de imersão e aproveitamento.

    Tente seguir as regras, seja uma pessoa discreta, esteja aberto às possibilidades, experimente uma comida diferente, estas atitudes são as que garantem o sucesso de qualquer viagem!

    Fonte: www.viagensdicas.com

     

  •  III. Importantes dicas para os viajantes

    Importantes dicas para viajantes

    MALAS - Seja criterioso ao extremo com as roupas que você vai levar. Dê preferência a roupas que não amassam, que não se sujam com facilidade e que possam ser usadas várias vezes (como um jeans, por exemplo).

    BAGAGEM DE MÃO- Lembre de levar em sua bagagem de mão uma ou duas mudas de roupas, para o caso de sua bagagem ser extraviada. Assim, você terá pelo menos como se virar sem ter que comprar roupas novas enquanto sua mala não chega.

    ROUPAS A BORDO - Use roupas e sapatos confortáveis durante os vôos. Se você tiver de embarcar com uma roupa pouco confortável (vindo de uma reunião, por exemplo), leve em uma sacola de mão uma muda de roupa leve e um tênis para trocar a bordo.

    TRANQUE AS MALAS - Feche sempre as malas com cadeado ou segredo. Leve sempre uma cópia da chave, guardando-a em local diferente da original.

    OBJETOS METÁLICOS E/OU PERFURANTES - Não leve em sua bagagem de mão objetos metálicos, como bijouterias de metal, e nenhum objeto perfurante, como canivete, estilete, removedor de cutículas, grampos de cabelos com ponta perfurante, etc. Tudo isto pode ser despachado em sua mala, mas com certeza serão confiscados quando você passar no detector de metais antes de embarcar, devido às medidas de segurança.

    DICIONÁRIO E CALCULADORA - Se você está viajando para o exterior, é sempre útil ter à mão uma calculadora de bolso e um pequeno dicionário. 

    PONHA ETIQUETAS NAS MALAS - As bagagens deverão estar identificadas, tanto na parte interna quanto externa. A identificação deve conter no mínimo o nome, endereço (com cidade e país) e telefone.

    CHEQUE SUA ETIQUETA DE BAGAGEM - Às vezes, no check in, o atendente se distrai e digita outro destino para suas  malas. Ao receber as etiquetas de bagagem, veja se  o destino impresso nelas está correto.

    TORNE SUA MALA VISÍVEL - Como as malas são muito parecidas, ponha uma fita colorida ou algo parecido na sua para ajudar a identificá-la na esteira de bagagens.

    OBJETOS DE VALOR - Jamais despache em bagagem de mão objetos de valor, como jóias, dinheiro e documentos.

    ADAPTADORES - Leve sempre adaptadores de todo tipo para os equipamentos eletrônicos que você estiver levando, porque cada país tem tomadas elétricas diferentes. 

    REMÉDIOS - Leve os medicamentos que você está acostumado a usar, já que é difícil comprar remédios sem receita médica no exterior. Além disso, leve na mala remédios básicos contra dor de cabeça, febre, cólicas, gripe, etc. 

    CHEQUE SUA DOCUMENTAÇÃO - Lembre de levar documentos originais. Se for viajar ao exterior, lembre que seu passaporte deve ter no mínimo 6 meses de validade. Se se tratar de menores viajando desacompanhados, verifique se está levando a autorização judicial e documento original dos menores. Cuidado com as carteiras de identidade emitidas por sindicatos e associações de classe, muito usadas por jornalistas, advogados, economistas, etc: nem sempre elas são aceitas como documento válido de viagem. O mesmo vale para as carteiras de habilitação.  

    CHEQUE QUAL É O AEROPORTO DE EMBARQUE - Isso parece lógico, mas verifique sempre na sua passagem qual é o aeroporto de embarque.   CHEQUE SUA BAGAGEM DE MÃO - Inocentes canivetes, alicates de unha, faquinhas e outros objetos não passam na bagagem de mão. Ponha nas malas todo obejto perfurante ou cortante que você tenha em sua bagagem de mão.

    DECLARE OS OBJETOS IMPORTADOS - Se você estiver levando equipamentos eletrônicos importados para o exterior, é necessário registrá-los na Receita Federal, no próprio aeroporto. Isso vale para máquinas fotográficas, lentes, filmadoras, computadores etc. Não é necessário declarar celular, já que ele sai do Brasil habilitado. Porém, ao adquirir um aparelho celular no exterior, não se esqueça de registrá-lo na alfândega brasileira na sua chegada. Caso contrário, não poderá habilitá-lo no Brasil.

    RECONFIRME SEUS VÔOS - Em todas as viagens internacionais, sempre reconfirme seu vôo de volta. Isso pode ser feito a qualquer momento, desde que você já tenha saído do Brasil. Sugerimos que isso seja feito por você mesmo no próprio aeroporto, assim que você chegar ao exterior, ou através de seu agente de viagens receptivo, caso você tenha adquirido um pacote.

    BAGAGEM EXTRAVIADA OU DANIFICADA - Não se esqueça que, se sua bagagem tiver sido danificada durante o vôo ou se tiver sido extraviada, a reclamação tem de ser feita no próprio aeroporto, antes de você sair.  

    DINHEIRO NO EXTERIOR - Evite carregar notas de valores altos. Leve um ou mais cartões de crédito internacionais, mesmo que não pretenda usá-los. Os Travellers cheques são seguros e bem aceitos, mas para trocar é necessária a apresentação do passaporte ou xerox. Nunca transporte todo o dinheiro num só lugar. Troque o mínimo possível de dinheiro nos aeroportos, pois lá as taxas são maiores que nos bancos e casas de câmbio.  procure as casas de câmbio, onde as taxas costumam ser menores.

    TELEFONEMAS - Se você ligar do exterior para o Brasil, evite ligar do hotel - é uma fortuna!!! Ligue de telefones públicos. Procure para saber como acessá-lo. É sempre mais barato, também, usar os cartões telefônicos.

     

     

Tag3 - Desenvolvimento Digital